Dúvidas Frequentes

Podem se associar os alunos e ex-alunos de cursos de pós-graduação legalmente ministrados nos Estados partes do Mercosul, a saber Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, assim como professores e dirigentes de tais cursos. Podem também se associar as Instituições do Ensino Superior legalmente constituídas e em atividade em um dos Países do Mercosul.

A Associação Brasileira de Pós-Graduação no Mercosul se mantém através do pagamento das contribuições dos sócios, de eventuais doações e de rendimentos de aplicações financeiras.

A Associação foi constituída a partir da detecção, por parte de um grupo de ex-alunos, da necessidade de existência de uma instituição que representasse, legitimamente, os interesses daqueles que se titularam em cursos ministrados nos Estados partes do Mercosul. Sua contribuição seguiu os ritos legais, com convocação publicada em jornais do Estado do Rio de Janeiro, onde está situada sua Sede.

A ABPÓS MERCOSUL dispõe de uma Assessoria Jurídica que orienta seus associados em assuntos que tenham a ver com os objetivos institucionais. Ressaltamos, entretando, que em efetivando uma ação jurídica, o associado deverá contratar um profissional para atuar como patrono. 

Algumas das diretrizes da Associação são primar pela legalidade, pela ética e pela transparência. Assim, qualquer associado pode, mediante solicitação formal, ter acesso aos instrumentos contábeis da Entidade.

Não. As contribuições são semestrais e pagas através de boleto bancário ou depósito identificado, exclusivamente na conta da ABPÓS MERCOSUL.

NÃO, são ILEGAIS pois conflitam com a legislação vigente no Brasil e agridem a soberania do país. Mesmo que ministrada apenas parte do curso no Brasil, o curso continua sendo ILEGAL. Todas as ações acadêmicas devem ser realizadas no país onde se encontra a sede da universidade. 

Não. Isto se aplica a qualquer universidade estrangeira. 

Não. Isto é uma ‘tentativa’ de burlar a legalidade. Não existe aproveitamento de estudos de curso de especialização (lato sensu) para mestrado (stricto sensu). 

Se todas as atividades são presenciais em janeiro e julho no outro país e a defesa da tesa também realizada no outro país, esses cursos são totalmente LEGAIS.