ABPÓS Mercosul repudia informação preconceituosa da UFBA

A Associação Brasileira de Pós-Graduação no Mercosul: ABPÓS MERCOSUL, no âmbito de sua competência estatutária, de defender os legítimos interesses de seus associados e dos demais pós-graduados e pós-graduandos no MERCOSUL, vem tornar público o seu repúdio em relação a forma desrespeitosa que a Universidade Federal da Bahia – UFBA vem oferecendo aos pedidos de revalidações de títulos.

Veiculada sob o título de NOTA IMPORTANTE, aquela Universidade informa que obedecendo orientações da CAPES não revalida títulos de alguns países do Mercosul, por absurdas razões que não se alinham com os princípios democráticos e de respeito a soberania dos países parceiros e integrantes do Bloco do Cone Sul.

E mais, segundo o que consta também na absurda NOTA da UFBA, in verbis, ” Para os países que atendem a recomendação da CAPES é necessário que o mestrando ou doutorando comprove permanência no exterior (local da universidade estrangeira), durante todo o período da realização do curso, sem a qual, a análise não será realizada pelo PPGE/UFBA,” queremos deixar claro que nos alinhamos perfeitamente com a exigência da presencialidade integral no local do curso em outro país durante o período das aulas, o que se identifica com a legislação brasileira vigente. 

Entretanto, uma vez mais externamos o nosso repúdio à exorbitância da NOTA da UFBA ao citar ‘… para os países que atendem a recomendação da CAPES…‘. Desde quando um outro país precisa e deve atender a uma recomendação da CAPES, como um órgão estritamente de abrangência ao território brasileiro?

Deveria sim, a CAPES, procurar colcaborar um pouco mais com a educação brasileira, para que a nossa pós-graduação e o nosso ensino superior de uma forma geral pudessem sair dos ridículos referenciais em que se situam no contexto mundial.

Quanto à FBA, lamentamos que uma Universidade com vasta e densa tradição no cenário histórico, acadêmico e cultural brasileiro, e situada em uma Capital que tanto colaborou para a consolidação dos princípios de cidadania e de libertação das amarras de uma série de preconceitos, esteja praticando ações que se alinham com os mais básicos referenciais democráticos.